quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Ferreira da Silva (1928-2016)

Azulejo - Fábrica Secla (1958, Museu Nacional do Azulejo)
-
Jarra (1989-1990, Museu da Cerâmica)
-
Pintura da série «OFÉLIA I» (1991-1992, Colecção Municipal Ferreira da Silva, Caldas da Rainha - © Margarida Araújo)
-
«OFÉLIA II» (2009, Colecção Municipal Ferreira da Silva| Caldas da Rainha © Margarida Araújo
-
Presépio (2014, Museu Nacional do Azulejo)
-
Luís Ferreira da Silva nasceu no Porto, em 1928, mudando-se ainda em criança para Coimbra. Nessa cidade ingressou na Escola Técnica Avelar Brotero, onde foi aluno de António Vitorino, responsável pelo curso de pintura cerâmica. Trabalhou na “Cerâmica Bombarralense”, na “Vestal” e na “Olaria de Alcobaça”. Colaborou com a SECLA entre 1954 e 1967. Em 1964, expôs na Galeria 111, em Lisboa, e, em 1967-1968, frequentou a École des arts appliqués et des métiers d'art, de Paris, com uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian. Foi depois para o Porto, para a Galeria Espaço, tendo trabalhado com uma fábrica de grés fino em Meadela e uma outra em Ermesinde. No ano de 1970, constituiu a empresa Ceramex (Benedita). Montou depois a Rolcer (Porto), voltou a colaborar com a SECLA (anos 80), colaborou com o Cencal e a Fábrica Molde (1999). Dedicou-se igualmente ao vitral, apresentando os seus trabalhos na Galeria Osíris (2006).
-
Bibl.: João B. Serra, «Ferreira da Silva: biografia breve e nota bibliográfica», in http://www.cidadeimaginaria.org/cer/FerreiradaSilva.pdf
-
Luís Ferreira da Silva was born in Oporto, in 1928, and moved to Coimbra as a child. In this city he entered the Escola Técnica Avelar Brotero, where he was a pupil of Antonio Vitorino, responsible for painting pottery. Later, he worked on "Bombarralense", "Ceramic Vestal" and "Pottery of Alcobaça". He also collaborated with SECLA between 1954 and 1967. In the year of 1964, he exhibited his work at the Gallery 111 (Lisbon), and in 1967-1968, he attended the École des arts appliqués et des métiers d'art (Paris), with a scholarship from the Calouste Gulbenkian Foundation. When he returned to Portugal, he went back to Oporto, starting to work at the Galeria Espaço, at stoneware factory in Meadela and another one in Ermesinde. In the year of 1970, has created the company Ceramex (Benedita). After that he created the Rolcer (Porto), collaborated with SECLA, Cencal and Molda (1999). He also devoted himself to the stained glass art, showing his work at the Gallery Osiris (2006).

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Jorge Vieira (1922-1998)

sem título (1954, MNAC)
-
-
-
-
Touro (CAM-FCG)
-
Jorge Vieira nasceu a 16 de Novembro de 1922, em Lisboa. Frequentou a Escola de Belas-Artes de Lisboa, entre 1944 e 1953, inicialmente inscrito em Arquitectura, mas mais tarde seguindo o curso de Escultura, tornando-se aluno de Simões de Almeida (tio) e de Leopoldo de Almeida. A sua aprendizagem complementou-se nos ateliers dos escultores António Duarte, Francisco Franco, António da Rocha e do arquitecto Frederico Jorge. No ano de 1948, realizou uma viagem a Paris e Londres, e em 1950 viajou até à Itália. A sua primeira exposição individual realizou-se em 1949, na Sociedade Nacional de Belas-Artes. Em 1953 Jorge Vieira participou num concurso internacional de escultura patrocinado pelo Institut of Contemporary Arts de Londres, com um projecto para o monumento O prisioneiro político desconhecido, que viria a ser seleccionado e exposto na Tate Gallery. Essa obra, apenas veio a ser executada algumas décadas mais tarde, erigida em 1994, na cidade de Beja. No ano de 1954 instalou-se em Londres e inscreveu-se na Slade School, onde trabalhou com Reginald Butler, F. E. McWilliam e Henry Moore. Em 1958 participou na Feira Internacional de Bruxelas, seleccionado para figurar na exposição “50 Ans d’Art Modern”. Em 1976, tornou-se Assistente na Escola de Belas-Artes do Porto, transitando em 1981 para a Escola de Belas-Artes de Lisboa, onde permaneceu até 1992. No ano de 1982, adquiriu uma casa nos arredores de Estremoz, onde passou a residir. Entretanto, continuou a conceber esculturas para espaços públicos: grupo de baixos-relevos para o Bloco das Águas Livres (1956); uma Varina em bronze colocada na Avenida Infante Santo, em Lisboa (1957); uma escultura abstracta em cimento e em bronze para o Tribunal do Redondo (1965); uma peça em aço para o Laboratório Nacional de Engenharia Civil (1972); uma escultura dedicada a Aquilino Ribeiro, em Soutosa (1981); o Monumento ao mineiro, em Aljustrel (1986-1988); ou as Joaninhas colocadas em frente aos paços do concelho de Lisboa (1998). O trabalho de Jorge Vieira não se insere num estilo ou “escola” específicos, estando as suas obras ligadas a influências variadas, como o surrealismo ou a arte primitiva, com aproximações à abstracção. O período final da carreira do escultor é marcado pela inauguração de uma importante retrospectiva da sua obra no Museu do Chiado (1995) e pela encomenda feita para a Expo’98, que lhe proporcionou uma maior visibilidade pública (Homem-sol, 1998). O escultor faleceu nesse ano em Estremoz.
-
Exte texto é o resumo da biografia do Matriznet.
-
Jorge Vieira was born on 16 November 1922, in Lisbon. He attended the School of fine arts of Lisbon, between 1944 and 1953, initially enrolled in architecture, but later following the course of sculpture, becoming a pupil of Simões de Almeida (uncle) and Leopoldo de Almeida. His learning was complemented in the “ateliers” of the sculptors António Duarte, Francisco Franco, Antonio da Rocha and the architect Frederick George. In the year 1948, undertook a trip to Paris and London, and in 1950 travelled to Italy. His first solo exhibition was held in 1949, at the National Society of Fine Arts. In 1953 Jorge Vieira took part in an international sculpture contest sponsored by the Institute of Contemporary Arts in London, with a project for the monument the unknown political prisoner, who would go on to be selected and exhibited in the Tate Gallery. This work, only came to be executed a few decades later, erected in 1994, in the city of Beja. In the year of 1954 he settled in London and enrolled at the Slade School, where he worked with Reginald Butler, F. E. McWilliam and Henry Moore. In 1958 he participated in the international fair of Brussels, selected to be shown in the exhibition "50 Ans D'art Modern." During the year of 1976, he became an Assistant at the School of Fine Arts of Oporto, transiting in 1981 to the School of Fine Arts of Lisbon, where he remained until 1992. In the year 1982 he acquired a house on the outskirts of Estremoz. Meanwhile, he designed sculptures for public spaces: Group of bas-reliefs for the Free water Block (1956); a Varina in bronze placed on Avenida Infante Santo, in Lisbon (1957); an abstract sculpture in cement and in bronze for the Redondo Court (1965); a steel piece to the national laboratory of Civil Engineering (1972); a sculpture dedicated to Aquilino Ribeiro, Soutosa (1981); the monument to the miner, in Aljustrel (1986-1988); or the Ladybugs placed in front of the Town Hall of Lisbon (1998). The work of Jorge Vieira is not a specific school or style, and his sculptures are connected with varied influences, like surrealism or primitive art, with approaches to abstraction. The late sculptor's career is marked by the opening of a major retrospective of his work at the Museum do Chiado (1995) and by the order made for Expo ' 98, which gave him greater public visibility (Man-Sun, 1998). The sculptor died that year in Estremoz

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Hansi Staël (1913-1961)

Nascimento de um Barco (Centro de Arte Moderna - FCG)
-

Prato - Fábrica Secla (1954-1956, Museu Nacional do Azulejo)
-
Jarro - Fábrica Secla (c. 1950 - Cerâmica Modernista em Portugal)
-
-
Hansi Staël von Holstein, nasceu em Budapeste, em 1913, e morreu em Londres, em 1961. Dedicou-se à pintura, desenho, gravura, ilustração, decoração e cerâmica. Frequentou a Escola de Artes e Ofícios de Viena de Áustria (curso de Artes gráficas e Publicidade), e a Academia de Belas Artes de Budapeste. Durante a 2ª Guerra Mundial residiu em Estocolmo, desenvolvendo actividade como desenhadora (ilustração de livros e revistas; realização de padrões para tecidos para o armazém sueco Svenskt Tenn).
Fixou residência em Portugal em 1946 e, nesse mesmo ano, expôs no Secretariado Nacional de Informação. Frequentou o atelier de João Fragoso (1913-2000), aí estabelecendo contacto com Fernando da Ponte e Sousa (1902-1990), sócio maioritário da fábrica de cerâmica SECLA (Caldas da Rainha), para a qual viria a trabalhar a partir de 1950. Foi fundadora do Estúdio SECLA e foi responsável pela actualização da produção da fábrica no contexto internacional. A partir de 1954, dirigiu o sector artístico da empresa, onde colaborou até 1957. Na sua obra deu maior valor à decoração com pintura do que ao relevo, o que contribuiu para uma inovação da decoração típica da cerâmica caldense. Participou nas exposições de cerâmica moderna organizadas pelo S.N.I. (1950-1954) e recebeu, em 1954, o Prémio Francisco de Holanda, atribuído pelo SNI. No ano seguinte, seria galardoada com a Medalha de Honra, na Exposição Internacional Les Chefs-d'Ouvres de la Céramique Moderne, em Cannes. Expôs individualmente na Galeria de Março (1953) e na Galeria do Diário de Notícias (1957). Participou em diversas exposições de gravura portuguesa contemporânea bem como na 1ª Trienal Internacional de gravuras originais a cores (Grenchen, 1958). Participou na I Exposição de Artes Plásticas da Fundação Calouste Gulbenkian (Lisboa, 1957). Em 1959 saiu definitivamente da fábrica Secla, mas muitos dos seus desenhos para a produção corrente continuaram a ser executados, pelo menos até finais da década de 80. O seu trabalho revela influências directas da produção tradicional e moderna escandinava mas também da italiana.
-
Bibliografia: Rita Gomes Ferrão, Hansi Staël: Cerâmica, Modernidade e Tradição, 2014; Castiçal «Anjo» - Hansi Staël - SECLA; Jarro - Hansi Staël - SECLA; Wikipédia.
-
Hansi Staël von Holstein was born in Budapest in 1913, and died in London in 1961. She dedicated herself to painting, drawing, engraving, illustration, decoration and pottery. She attended the School of Arts and Crafts in Vienna of Austria (graphic arts and advertising), and the Academy of fine arts in Budapest. During the Second World War she resided in Stockholm, developing activity as a designer (illustration of books and magazines; realization of patterns for fabrics for the Swedish company Svenskt Tenn). 
Took up residence in Portugal in 1946 and in that same year, she exhibited at the National Secretariat of Information. She attended the atelier of João Fragoso (1913-2000), then establishing contact with Fernando da Ponte e Sousa (1902-1990), senior partner of the ceramic factory SECLA (Caldas da Rainha), for which she would work since 1950 until 1959. Between 1954 and 1957, she directed the artistic sector of the company. She took part in the exhibitions organized by SNI (1950-1954) and received, in 1955, the Medal of Honor in Cannes.

quinta-feira, 12 de maio de 2016

Manuel Mafra (1829-1905)

Travessa (1860, Museu da Cerâmica)
-
Estatueta. Jurista (c. 1860-1870, Colecção de João Maria Ferreira)
-
Jarro com prato e tampa (após 1870, Colecção de João Maria Ferreira)
-
Prato (c. 1880, Musée Ariana)
-

Jarrão (1870-1887, Museu da Cerâmica das Caldas da Rainha)
-
Manuel Cipriano Gomes Mafra (1829-1905), nasceu em Saibreira (Mafra), indo jovem viver para as Caldas da Rainha, onde começou a trabalhar como operário servente, na fábrica de Maria dos Cacos, em 1850. No ano de 1852 teve o primeiro contacto com o rei D. Fernando II quando este visitou as olarias das Caldas da Rainha. Manuel Mafra adquiriu a fábrica de Maria dos Cacos em 1853 e iniciou o seu percurso como ceramista juntamente com a sua mulher, Maria José, e as irmãs Mariana da Conceição Gomes e Luísa Gomes, que se tornaram especialistas na técnica da "verguinha". Em 1860 fundou a sua Fábrica na Praça D. Maria Pia, anunciada como Fábrica de Louças das Caldas de Manuel Cypriano Gomes Mafra. A partir de 1870 recebeu autorização para usar a coroa real nas suas marcas fabris e teve contacto com produções europeias da colecção de D. Fernando II, bem como do coleccionador José Palha, que o levaram a introduzir nas suas peças o "musgado" e novas técnicas de policromia. Em 1873 participou na Exposição Internacional de Viena de Áustria, onde recebeu uma medalha de mérito. Recebeu duas medalhas de prata: na Exposição Internacional de Paris de 1878 e na Exposição Internacional do Rio de Janeiro de 1879. O Inquérito Industrial de 1881 refere-se a Manuel Mafra como «o Palissy das Caldas». A sua unidade fabril entrou em decadência em 1885, ano em que morreu o D. Fernando II. Em 1887 passou a direcção da fábrica para o seu filho, Eduardo Mafra. Porém, em 1897, montou uma nova fábrica, que não alcançou o sucesso da primeira. Em 1890 o recheio da sua fábrica foi leiloado e adquirido por Herculano Elias.
-
Sobre este artista ver:
Cristina Ramos Horta, Manuel Mafra (1831-1905) e as origens da cerâmica artística das Caldas da Rainha, FL-UL, 2014 (tese de Doutoramento - disponível online).
Manuel Mafra 1829-1905: mestre na cerâmica das Caldas, Caldas da Rainha, Museu de Cerâmica, Maio de 2009.
-
Manuel Cipriano Gomes Mafra (1829-1905) was born in Saibreira (Mafra). When he was young he moved to Caldas da Rainha, where he began working as a laborer, servant of Maria dos Cacos, in 1850. In the year 1852 he met for the first time the King Ferdinand II, when he visited the potteries of Caldas da Rainha. Manuel Mafra acquired the factory of Maria dos Cacos in 1853 and began his career as a ceramist along with his wife, Maria José, and sisters Mariana da Conceição Gomes and Luisa Gomes, who have become experts in the technique of "verguinha". In 1860 he founded his own factory in the square D. Maria Pia, announced as Fábrica de Louças das Caldas de Manuel Cypriano Gomes Mafra. Since 1870 he received permission to use the Royal Crown in his manufacturing marks and had contact with European productions from the collection of Ferdinand II, as well as the collector José Palha, which led him to introduce in his works the "musgado" and new techniques of polychromy. In 1873 he took part in the international exhibition in Vienna of Austria, where he received a medal of merit. Received two silver medals: in the international exhibition of Paris of 1878 and the Rio de Janeiro International Exhibition of 1879. The Industrial Survey of 1881 refers to Manuel Mafra as «the Palissy of Caldas». His factory fell into disrepair in 1885, the same year that died the King D. Fernando II. In 1887, Manuel Mafra passed the factory for his son, Eduardo Mafra. However, in 1897, he set up a new factory, which did not reach the success of the first. In 1890 the filling of his factory was auctioned and purchased by Herculano Elias.

quarta-feira, 20 de abril de 2016

Helena Almeida (n. 1934)

Sem título (1972)
-
Pintura habitada (1975, CAM)
-
Desenho habitado (1977, CAM)
-
-
Voar (fragmento) (2001)
-
Maria Helena de Castro Neves de Almeida (n. 1934) é uma artista plástica, nascida em Lisboa, filha do escultor Leopoldo de Almeida. Fez o curso de pintura da Escola Superior de Belas Artes de Lisboa (terminado em 1955). Estudou em Paris, com bolsa de estudo, a partir de 1964. Expôs individualmente em 1967, na Galeria Buchholz, em Lisboa – seguindo-se depois numerosas exposições e participações em exposições, em Portugal e no estrangeiro. A sua obra baseia-se sobretudo na fotografia, que cruza com o desenho, a pintura, a performance e a escultura – usando fio de crina na concepção de desenhos tridimensionais. Desde 1969, os seus temas centram-se sobretudo na autorrepresentação, não como auto-retrato, mas como meio de questionar a relação entre o artista e a sua obra, ultrapassando os limites da arte bidimensional e tradicional. Nas suas palavras: "O meu trabalho é o meu corpo, o meu corpo é o meu trabalho." É casada com o arquitecto Artur Rosa que colaborou na concretização dos seus trabalhos. A artista representou Portugal na Bienal de São Paulo, Brasil (1979), na Bienal de Veneza (1982 e 2005) e na Bienal de Sidney (2004). Obteve o Prémio AICA, em 2004.
-
-
Helena Almeida was born in Lisbon in 1934 and she is the daughter of the sculptor Leopoldo de Almeida (1898-1975). In 1955, she completed the painting course at the School of Fine Arts in Lisbon. She married architect Artur Rosa that later helped her with her work. In 1964 she obtained a scholarship and moved to Paris. Almeida exhibited for the first time in 1967, in Lisbon. Starting in 1969 Almeida defined a new aspect of her work, the desire for self-representation, in an exhibit which became the basis of her future work. She exhibited a black and white photograph of herself wearing a canvas. This photograph asserted her belief in "identifying herself with the being of her work." Almeida avoids creating self-portraits. Rather, "My work is my body, my body is my work." In the early 70's Almeida returned to three dimensional sketching, with drawings that use horsehair threads and appear to jump off the page. She refers to this work as "painting outwards." In this process she worked without an easel or canvas.
-

segunda-feira, 7 de março de 2016

Leopoldo de Almeida (1898-1975)

Vencido da Vida (1922, Museu do Chiado – Museu Nacional de Arte Contemporânea)
-

Viriato (1927, Museu José Malhoa)
-
O Pensador (1939, Museu José Malhoa)
-
A Família (1947, Museu José Malhoa)
-
Estátua de José Malhoa (1955, Museu José Malhoa)
-
Leopoldo de Almeida nasceu em Lisboa a 18 de Outubro de 1898. Aos 15 anos de idade matriculou-se na Escola de Belas-Artes de Lisboa e, em 1916, iniciou o Curso Especial de Escultura, sendo discípulo do pintor Luciano Freire e do escultor Simões de Almeida (sobrinho). Em 1920, concluiu o curso e, seis anos depois (1926), deslocou-se a Paris e a Roma como pensionista do Estado, regressando a Lisboa no ano de 1929. Em 1930 projectou o conjunto de baixos-relevos decorativos para a fachada do Cinema Éden (executados em 1934), dando início a uma intensa actividade artística marcada por participações em concursos para monumentos e pelas encomendas estatais, das quais se destacam a colaboração no Monumento ao Marquês de Pombal (projectado pelo escultor Francisco dos Santos e pelos arquitectos Adães Bermudes e António do Couto e inaugurado em 1934), com a execução das estátuas Plutão e Neptuno (1930); o primeiro lugar obtido no concurso para o Monumento a António José de Almeida em colaboração com o arquitecto Pardal Monteiro, em 1933 (o monumento seria inaugurado em 1937); a concepção das peças Virgem e os pastorinhos de Fátima, Ressurreição de São Lázaro e São João Baptista, para a Igreja de Nossa Senhora do Rosário de Fátima (inaugurada em 1938); a execução de grupos escultóricos – A Pesca e A Agricultura (1937), duas Esfinges, Guerreiro e Justiça (1940) – destinados à Assembleia da República. No ano de 1940, participou na Exposição do Mundo Português, para a qual executou duas obras emblemáticas: Soberania, figura feminina colossal concebida para a fachada do Pavilhão dos Portugueses no Mundo e a componente escultórica do Padrão dos Descobrimentos (projecto do arquitecto Cotitnelli Telmo, passado a pedra em 1960). Da vasta actividade de Leopoldo de Almeida salientam-se ainda a Estátua equestre de D. Nuno Álvares Pereira (1961) e a Estátua Equestre de D. João I (1970). Auferiu o grau de comendador da Ordem de Santiago de Espada (1941); o grau de comendador da Ordem Bernardo O’Higgins (Chile, 1969) e o grau de oficial da Ordem de Santiago e Espada (1970). A par da actividade como escultor, Leopoldo de Almeida desenvolveu uma carreira académica que se iniciou em 1934 com o seu ingresso na ESBAL como professor de Desenho de Figura do Antigo e do Modelo Vivo e se prolongou até 1965. Morreu em Lisboa, a 28 de Abril de 1975, «deixando uma vasta obra que se caracteriza pela presença constante de uma metodologia clássica nos procedimentos e fundamentos da criação escultórica, mas que porém se integra na arte moderna através da simplificação formal, num jogo de tensões entre o ideário classicizante rigoroso no desenho e na modelação, e uma expressão mais modernizante que se pode observar no tratamento delicado mas vigoroso das linhas e das formas.»
-
Cf. «Almeida, Leopoldo Neves de», Ficha de Entidade do MatrizNet.
Sobre o escultor ver também a Wikipédia, Wikimedia Commons e, sobretudo, a tese de Doutoramento de Rita Mega da Fonseca, Vida e Obra do Escultor Leopoldo de Almeida (1898-1975), Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa, 2011.
-
Leopoldo de Almeida was born in Lisbon on 18 October 1898. When he was 15 years old he enrolled in the school of fine arts of Lisbon and, in 1916, he began a special course of sculpture, being a disciple of the painter Luciano Freire and the sculptor Simões de Almeida (nephew). In 1920, he concluded the course and six years later (1926) he went to Paris and Rome as a pensioner of the State, returning to Lisbon in the year 1929. In 1930 he designed a set of decorative bas-reliefs for the frontage of the Cinema Eden (executed in 1934), setting off an intense artistic activity marked by participation in contests for monuments and State commissions. Between his most important works, we should mention: the collaboration at the monument to the Marquis de Pombal (opened in 1934) with the execution of statues of Pluto and Neptune (1930); the first place in the competition for the monument to António José de Almeida in collaboration with the architect Pardal Monteiro, in 1933 (the monument would be inaugurated in 1937); some of the sculptures for the Church of Fátima in Lisbon (the Virgin, resurrection of Saint Lazarus and Saint John the Baptist) (opened in 1938); and the execution of sculptural groups for the Assembly of the Republic. In 1940, he participated in the exhibition of the Portuguese World, with the sculpture Sovereignty and the sculptural component of the Padrão dos Descobrimentos (project of the architect Cotitnelli Telmo). He was also the author of the equestrian statue of Nuno Álvares Pereira (1961, Batalha), and the equestrian statue of King João I (1970). In addition to the activity as a sculptor, Leopoldo de Almeida has developed an academic career that began in 1934, when he started to teach in the ESBAL, a job that lasted until 1965. He died in Lisbon, 28 April 1975.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

António Dacosta (1914-1990)

-
-
Está Calor em Evora (1983, Colecção Manuel de Brito, Lisboa)
-
-
I'm Late (1989) 
-
António da Costa nasceu a 3 de Novembro de 1914 e morreu a 2 de Dezembro de 1990. Nasceu em Angra do Heroísmo, nos Açores, tendo ficado conhecido como poeta, crítico de arte e pintor. Partiu para Lisboa em 1935, para estudar na Escola de Belas Artes, integrando-se rapidamente nos circuitos intelectuais da capital. Expôs pela primeira vez em 1940, juntamente com António Pedro, numa mostra que assinalou a entrada formal do Surrealismo em Portugal. 
A sua obra pictórica é constituída por duas fases distintas, sendo a primeira, entre 1939 e 1948, caracterizada pela ligação ao Surrealismo. Em 1942 ganhou o prémio Souza-Cardoso na Exposição de Arte Moderna do S.P.N.. No ano seguinte publicou as suas primeiras crónicas sobre arte, no Diário Popular. No ano de 1944 o seu atelier e grande parte da sua obra foram destruídos por um incêndio. No ano de 1947, fixou residência em Paris, e em 1949 participou na Exposição do Grupo Surrealista de Lisboa com algumas obras próximas da abstracção. Nesse mesmo ano decidiu interromper a prática artística, ficando depois cerca de trinta anos sem pintar, dedicando-se à crítica de arte. colaborando de forma regular no jornal brasileiro O Estado de S. Paulo.
A segunda fase da sua obra, em que retoma a actividade de pintor, data do final da década de 1970. Em 1978 algumas das suas obras do período surrealista foram apresentadas em Londres na exposição Portuguese Art since 1910, o que poderá ter acentuado o desejo de regresso à prática artística. Nesta segunda fase as suas pinturas transmitem um universo onírico, traduzido em composições com temas ligados à cultura clássica e à mitologia (sereias, por exemplo), memórias e referências aos Açores; às tradições religiosas ou místicas; mas também referenciando a própria história da arte (Goya por exemplo). Expôs novos trabalhos pela primeira vez em 1983 (Galeria 111, Lisboa). Em 1984 recebeu o prémio AICA, Lisboa. Em 1988 a sua obra foi apresentada de forma extensiva no Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão, em Lisboa, e na Casa de Serralves, Porto. No final da vida, em 1989, iniciou o projecto da decoração da estação de Metro do Cais do Sodré, que não terminou devido a problemas de saúde, sendo o trabalho concluído por Pedro Morais. Dedicou-se também à poesia, sendo autor de A Cal dos Muros.
-
Texto baseado no artigo da Wikipédia (António Dacosta) e no livro de Tânia Saraiva, António Dacosta, colecção «Pintores Portugueses», Quidnovi, 2010.
-
António Dacosta (3 November 1914 in Angra do Heroísmo, Azores, Portugal – 2 December 1990, Paris, France) was a Portuguese painter, poet and art critic and a pioneer of the surrealistic movement in Portugal. In 1935 left the Azores to attend the Escola de Belas Artes (School of Fine Arts) in Lisbon. He displayed his first paintings at Casa Repe in 1940 along with António Pedro and an English sculptor, Pamela Boden. He also showed at the annual national Salon of Modern Art where he won the Amadeo de Souza-Cardoso Prize in 1942. Many of his surrealist paintings were lost in a fire in 1944 in the studio where he was working. In 1947, the French government awarded him a grant to spend a year in Paris, where he stayed for the rest of his life. He progressively stopped painting but nonetheless in 1948 sent two paintings to the Surrealist Group Show in Lisbon. In 1952, his first successful one-man show was held at the Galeria de Março in Lisbon. By 1953, he was no longer painting and he became a reporter for a Brazilian newspaper O Estado de São Paulo, In the year 1969 Dacosta attended a retrospective of his works from 1939 to 1948 at the Galeria Buchholz in Lisbon and in 1978 some of his paintings were included in the show Portuguese Art since 1910 at the Royal Academy of London, that he visited with his friend and fellow-artist, Júlio Pomar. Rediscovering his earlier works at this show perhaps gave him an impetus to return to painting. In the mid-1970s he stopped sending his articles to Brazil and, thanks to a grant from the Calouste Gulbenkian Foundation, became free to paint. His new paintings were inspired by his childhood memories of Azores, as well as pagan and religious traditions. In 1983 a one man show at Galeria 111 in Lisbon revealed his recent paintings. He was awarded the national art prize by the Portuguese art critics’ association in 1984 and honoured with the Grand Cross of the Order of Merit by Portuguese President, Mário Soares, in 1988. In 1989 he began a series of drawings to decorate the walls of Cais do Sodré, a new subway station in Lisbon. However due to increasing bad health painting became difficult and the commission was completed under the auspices of his friend and fellow artist Pedro Morais and inaugurated in 1998. Dacosta dedicated much of his later years to poetry. His poems were published posthumously in 1994 as A Cal dos Muros (Chalk on the Wall).
-
Text based on the Wikipedia article: António Dacosta.

segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Frei Cipriano da Cruz (c.1645-1716)

Sagrada Família (1704-1707)
-
S. Miguel (Museu Nacional de Machado de Castro)
-
com Pascoal de Sousa (pintor), Santa Gertrudes Magna (1685-1692)
-
com Luís Oliveira (pintor), Santa Catarina (1691-1692)
-
Pietá (Museu Nacional de Machado de Castro)
-
«Frei Cipriano da Cruz foi um dos escultores portugueses mais importantes da sua época. Em 1676 ingressou, como irmão leigo no Mosteiro de Tibães, da Ordem de São Bento, tendo tomado o hábito alguns anos mais tarde (entre 1683 e 1685); foi aí que morreu, após uma vida dedicada à produção de imagens em madeira, pedra e barro (...). Entre as suas obras destaquem-se, por exemplo: São Miguel Arcanjo, MNMC, Coimbra; Imagem de Santa Catarina, Capela de S. Miguel, Coimbra; Pietá ou Nossa Senhora da Piedade, 1685-1690, madeira policromada, MNMC, Coimbra.»
-
Cf. Wikipedia.
-
Brother Cipriano da Cruz was one of the most important Portuguese sculptors of his time. In 1676 he joined, as a lay brother in the monastery of Tibães, of the order of St. Benedict, having taken the habit a few years later (between 1683 and 1685); It was there he died, after a life dedicated to the production of images in wood, stone and clay (...). Among his works include, for example: St. Michael the Archangel, MNMC, Coimbra; Image of Santa Catarina Chapel of s. Miguel, Coimbra; Pieta or Nossa Senhora da Piedade, 1685-1690, polychrome wood, MNMC, Coimbra.»

segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Cristiano Cruz (1892-1951)

Auto-retrato (1916, Museu do Chiado – Museu Nacional de Arte Contemporânea)
-
O semeador (Museu do Chiado – Museu Nacional de Arte Contemporânea)
-
Cena de Guerra (1916-1918, Museu do Chiado – Museu Nacional de Arte Contemporânea)
-
O rebentar das granadas (Museu do Chiado – Museu Nacional de Arte Contemporânea)
-
S/título (Senhoras à mesa) (c. 1919, CAM - Centro de Arte Moderna)
-
Christiano Alfredo Sheppard Cruz nasceu em Leiria a 6 de Maio de 1892. Após concluir o curso dos liceus em Coimbra, foi com a família para Lisboa, para estudar Medicina Veterinária, e foi durante os seus anos de estudante na capital (1910-1915) que produziu uma inovadora obra gráfica humorista, publicando regularmente, até 1913, desenhos em vários jornais. Participando na fundação da Sociedade de Humoristas Portugueses, expôs no 1º e no 2º Salão dos Humoristas (1912 e 1913) no Grémio Literário (Lisboa). A partir de 1915, ano em que concluiu a licenciatura, Christiano dedicou-se cada vez mais à pintura, trilhando um caminho que se consolidou no período final da sua produção, entre 1916 e 1919. 
Em Janeiro de 1917, foi para França com o Corpo Expedicionário Português, que combateu na frente ocidental da Grande Guerra, com o posto de tenente médico. No sector português, preencheu um álbum com croquis de situações quotidianas, intitulado "Cenas de Guerra", e produziu pequenos guaches sobre cartão. Em 1918, veio a Lisboa para apresentar a sua tese de doutoramento em Medicina Veterinária; só regressou definitivamente ao país no final do ano, depois do Armistício. 
No ano de 1919, decidiu abandonar a actividade artística, partindo para Lourenço Marques, com o intuito de se dedicar à medicina veterinária. Em 1951, foi transferido, por motivos políticos, para Angola, como veterinário-chefe da província do Bié. Morreu poucos meses depois, em Silva Porto (Angola), a 21 de Outubro de 1951.
-
e «Cristiano Cruz» in Wikipédia -
-
Christiano Alfredo Sheppard Cruz was born in Leiria on May 6, 1892. After completing high-school in Coimbra, went with the family to Lisbon to study veterinary medicine, and it was during his years as a student in the Portuguese capital (1910-1915) that he produced an innovative humoristic graphic work, regularly publishing, until 1913, drawings in several newspapers. Participating in founding the society of Portuguese Humorists, he exhibited on the 1st and the 2nd Hall of Humorists (1912 and 1913) in the Literary Guild (Lisbon). From 1915, the year he completed his degree, Christiano devoted himself increasingly to painting, treading a path which was consolidated in the final period of his production, between 1916 and 1919.
In January 1917, he went to France with the Portuguese Expeditionary Corps, which fought on the Western front in the Great War, with the rank of Lieutenant Medic. In that period, he filed an album of sketches of everyday situations, titled "scenes of War", and produced small gouaches on cardboard. In 1918, he went to Lisbon to present his doctoral thesis in veterinary medicine; just returned definitely to his home country at the end of the year, after the Armistice.
During the year of 1919, he decided to abandon the artistic activity, departing to Lourenço Marques (Mozambique) in order to devote himself to veterinary medicine. In 1951, he was transferred, for political reasons, to Angola, as Chief Veterinary Officer of the province of Bié. He died a few months later, in Silva Porto (Angola), on the October 21, 1951.

quarta-feira, 4 de março de 2015

Maria Keil (1914-2012)

Menina sentada (1938, Museu do Chiado – Museu Nacional de Arte Contemporânea)
-
Figurino "Astrólogo" do bailado " Lenda das Amendoeiras", pela , Companhia Portuguesa de Bailados Verde Gaio. Teatro da Trindade. 1940 (Museu Nacional do Teatro)
-
Bar dos cavalos (1955)
-
Projecto (painel de azulejos "O Mar" para a avenida Infante Santo, Lisboa) (1956-1958, Museu Nacional do Azulejo)
-
-
Maria Keil (Maria Pires da Silva Keil do Amaral) nasceu em Silves, a 9 de Agosto de 1914. Pertencente à 2ª geração de pintores modernistas portugueses, a sua obra é vasta e diversificada, abarcando pintura, desenho, ilustração, azulejo, design gráfico e de mobiliário, tapeçaria, cenografia, etc. Destacou-se sobretudo como ilustradora e também como desenhadora de azulejos, contribuindo para a renovação do azulejo contemporâneo em Portugal. Em 1929, com quinze anos, veio para Lisboa, onde frequentou a Escola de Belas Artes, tendo sido aluna de Veloso Salgado. Em 1933, casou com o arquiteto Francisco Keil do Amaral e dois anos mais tarde nasceu o seu único filho, Francisco. No ano de 1936, tornou-se membro do ETP (Estúdio Técnico de Publicidade, formado por José Rocha), estabelecendo amizade com Carlos Botelho, Fred Kradolfer, Ofélia Marques e Bernardo Marques. No ano imediato faz uma estadia em Paris durante a construção do Pavilhão da Exposição Internacional de Paris (de que Keil do Amaral era arquitecto), para o qual realizou o motivo decorativo na Sala IV – Ultramar (Salle IV – Outremer). Expôs individualmente, pela primeira vez, em 1939, na Galeria Larbom, uma loja de móveis da Rua do Ouro, Lisboa. Nesse mesmo ano participou na IV Exposição de Arte Moderna do S.P.N. e recebeu o Prémio de Revelação Souza-Cardoso, em 1941. Entretanto, em 1940, concebeu cenários e figurinos para o bailado Lenda das Amendoeiras, apresentado no espetáculo de estreia da Companhia de Bailado Verde Gaio. Entre 1946 e 1956 participou nas Exposições Gerais de Artes Plásticas (SNBA), tendo realizado, em 1945 e 1955, exposições individuais. No domínio do azulejo, deve-se destacar o painel de azulejos O mar, na Avenida Infante Santo, em Lisboa; bem como a extensa colaboração para as estações do Metropolitano de Lisboa (1957-1972). No ano de 1980, foi agraciada com o grau de Comendador da Ordem Militar de Santiago da Espada e, em 2013, o Museu da Presidência da República organizou, no Palácio da Cidadela de Cascais, em parceria com a Câmara Municipal de Cascais, a exposição De propósito - Maria Keil, obra artística, apresentando uma visão retrospectiva e abrangente dos seus trabalhos.
-
Cf. Wikipedia.
-
Maria Keil (Maria Pires da Silva Keil do Amaral) was born in Silves, in August 9th 1914. She belongs to the Portuguese modernist painters second generation, and she is the author of a long and diversified work, that includes painting, drawing, illustration, tile designing, graphic design, furniture design, tapestry, scenography, etc. She became specially famous for her work has a illustrator, but also as a tile designer, having contributed to the renovation of the contemporary tile art in Portugal. In the year of 1929, being 15 years old, she went to live in Lisbon, where she attended the Art School and was the a pupil of the painter Veloso Salgado. In 1933, she married the architect Francisco Keil of the Amaral, and two years to later was born to their only son, Francisco. In 1936, she became member of the ETP (Publicity Technical Studio), formed by Jose Rocha, and became friends to other artists like Carlos Botelho, Fred Kradolfer, Ofélia Marques and Bernardo Marques. On the next year she spent some time in Paris, during the construction of the Portuguese Pavilion at the International Paris Exhibit, to which she created the decorative motif for the IVth room - Oversea. Maria Keil exhibited her work, for the first time, in 1939, at the Larbom Gallery, a furniture shop in Rua do Ouro (Lisbon). At the same to year, she took part of the IVth Modern Art Exhibition of SPN (National Propaganda Secretariat) and received the prize Souza-Cardoso, in 1941, at another SPN exhibit. Meanwhile, in 1940, she conceived sceneries and figurines to the dance show Legend of the Almond trees, which was presented at the opening of the Company of Bailado Verde Gaio. In the years of 1946 and 1956, she participated at the General Expositions of Arts (at Fine Arts National Society, Lisbon). As a tile art designer, one has to enhance the tile panel The sea, that is located at the Infant Santo Avenue (Lisbon), as well as the works that she made for the decorations of the Lisbon subway stations (1957-1972). In the year of 1980, Maria Keil received the state decoration of “Comendador” of the Military Order of Santiago e Espada, and, in 2013, it was held a retrospective exhibition of her work, organized by the Museum of the Presidency of the Republic and the City Council of Cascais, entitled On purpose - Maria Keil, artistic work.